Prepare-se para a revolução do trabalho em qualquer lugar


Infraestrutura empresarial necessária para suportar o ‘novo normal’ dependerá da IoT, gêmeos digitais e da realidade imersiva

Os escritórios físicos tradicionais estão desaparecendo de nossa vida profissional há muitos anos. Com a pandemia de 2020 entrando na história, muitos setores da economia global agora experimentam os prazeres e frustrações de trabalhar em casa.

Ambientes de trabalho híbridos

Já vimos praticamente todas as grandes empresas de tecnologia, do Google à VMware, desistirem de tentar trazer funcionários de volta aos escritórios tradicionais por um futuro indefinido. De acordo com uma pesquisa recente da 451 Research, a unidade de pesquisa de tecnologia emergente da S&P Global Market Intelligence, 80% das empresas implementaram ou expandiram políticas universais de trabalho em casa e 67% planejam manter pelo menos algumas políticas de trabalho em casa a longo prazo ou permanentemente.

Se esse outro estudo recente da London Business School publicado na Harvard Business Review for alguma indicação, os colaboradores, geralmente, enfrentam o desafio do trabalho remoto com louvor. Conforme discutido pelos autores do estudo Julian Birkinshaw, Jordan Cohen e Pawel Stach, a produtividade está crescendo. Com base em respostas comparativas a entrevistas realizadas com funcionários em escritórios em 2013 e novamente em 2020, os entrevistados, agora, estão gastando 12% menos tempo em grandes reuniões e 9% mais tempo interagindo com clientes e parceiros externos. Tais trabalhadores relataram realizar 50% mais atividades por escolha pessoal e 50% menos atividades porque outra pessoa os pediu.

A pandemia não eliminou totalmente os escritórios físicos que compartilhamos, pelo menos ocasionalmente, com outras pessoas. Poucos empregadores se comprometeram a fechar seus escritórios tradicionais com várias pessoas permanentemente. A maioria das empresas ainda se reserva o direito de exigir que o pessoal volte a pelo menos um desses escritórios físicos em algum momento. E poucas organizações alcançaram paridade total entre a infraestrutura de suporte que fornecem para funcionários que trabalham em casa e o nível desfrutado por aqueles que se reportam a um escritório tradicional.

Pelo menos para os trabalhadores alocados em projetos digitais, a economia global está mudando rapidamente para “trabalhe em qualquer lugar” (Work From Anywhere – WFA) . Daqui para frente, a maioria passará suas carreiras em ambientes de trabalho hibridizados que combinam espaços físicos e virtuais em padrões de constante mudança. Grande parte dessa mudança fomentará a cultura, os comportamentos e os processos de trabalho voltados para a produtividade híbrida, distribuída e de trabalho em qualquer lugar. Estamos até vendo essa nova ordem começar a transformar ambientes de trabalho, como a produção de cinema, de maneiras novas e surpreendentes.

A TI corporativa pode facilitar o trabalho de qualquer lugar

Que impacto esses arranjos de local de trabalho “normais” terão nos padrões de infraestrutura de TI corporativa? Nesta ordem social pós-pandemia que se aproxima, as tecnologias mais importantes permitirão um maior distanciamento social, uma colaboração remota mais produtiva e um biossensoriamento mais abrangente.

Sob acordos descentralizados, a maioria dos trabalhadores terá permissão para usar os escritórios tradicionais quando necessário, mas pode retirar-se para suas casas ou outros locais quando lhes for conveniente. Os empregadores permitirão que o pessoal conte com colaboração remota padrão, computação em nuvem, automação de processos robóticos e outras ferramentas de produtividade sofisticadas.

Para evitar que a produtividade seja afetada, as organizações inteligentes fornecerão uma base de infraestrutura de serviços automatizados de segurança, backup, recuperação e conformidade baseados em nuvem. Todos esses serviços robustos estarão disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana para todos os funcionários, independentemente de estarem trabalhando em um escritório físico compartilhado, em seu próprio escritório doméstico, no local do cliente ou em outro lugar.

Uma iniciativa recente da indústria que parece abordar a nova situação do local de trabalho é a Modern Computing Alliance. Criado pelo Google e outros fornecedores líderes de tecnologia, este novo consórcio está definindo uma abordagem comum da indústria de tecnologia para oferecer suporte a ambientes híbridos que conectam, combinam e permitem a movimentação contínua entre locais de trabalho físicos e virtuais. O consórcio inclui Dell, Intel, Box, Citrix, Imprivata, Okta, RingCentral, Slack, VMware e Zoom, e está desenvolvendo padrões e tecnologias interoperáveis para trabalho distribuído em um mundo multiplataforma e multicloud.

Transformando a Internet das Coisas em uma infraestrutura de WFA

A aliança liderada pela Google, cuja fundação antecede a crise da Covid-19, está abordando as implicações de colaboração, identidade, segurança, transparência e orientação do trabalho remoto. Além disso, os detalhes terão que esperar até o primeiro semestre de 2021, quando o grupo promete seus primeiros planos concretos. Seu anúncio inicial apenas aludiu à sua intenção de promover a simplificação (administração do dispositivo), analytics (dispositivo e usuário únicos) e otimização (nível de dispositivo, desempenho aprimorado por hardware e fluxos de trabalho de funcionários).

Considerando que um de seus principais fatores tem sido uma pandemia contínua, os esforços da aliança devem incluir um forte foco no biossensor generalizado em escritórios tradicionais e ambientes remotos. Consequentemente, a IoT precisará ser incorporada à estrutura de como as organizações gerenciam o planejamento, o monitoramento e o controle em um mundo rico em sensores, onde as pessoas trabalham praticamente em qualquer espaço público ou privado imaginável.

Ao longo de um espaço de trabalho remoto e distribuído, os sensores baseados em IoT irão transmitir feeds em tempo real das métricas da instalação – temperatura ambiente, iluminação, ocupação e segurança – enquanto termostatos co-configurados e outros atuadores IoT locais tomam ações automatizadas para manter essas e outras métricas em conformidade com as políticas de saúde, segurança, produtividade e outras políticas da empresa. A maioria dos sensores e atuadores IoT na força de trabalho remota será incorporada em smartphones e outros dispositivos de ponta que os trabalhadores já têm à sua disposição. Como alternativa, os pontos de extremidade IoT serão implantados em dispositivos de borda portáteis fornecidos pela empresa, eletrodomésticos e robôs para uso, talvez temporariamente, em qualquer espaço onde os trabalhadores escolham fazer seu trabalho, como um carro ou local do cliente.

Para manter os trabalhadores distribuídos protegidos contra infecções, essas redes de sensores baseadas em IoT impulsionarão plataformas de limpeza robótica que automatizam a higienização de espaços antes de permitir que trabalhadores e clientes os ocupem. Para tornar isso possível, os trabalhadores serão obrigados a baixar e instalar aplicativos de proximidade e biossensor em seus smartphones antes de entrar em espaços de grupo higienizados. Câmeras inteligentes e sensores térmicos poderão detectar quando as pessoas podem estar trazendo infecções que contraíram em outro lugar para espaços limpos. Nos escritórios do grupo, isso acionará automaticamente restrições de entrada, avisos internos, táticas de limpeza automatizadas e outras respostas baseadas em infraestrutura para prevenir ou conter uma infecção.

Potencial dos gêmeos digitais no espaço de trabalho híbrido

Desfocar os ambientes virtuais e físicos é outra marca registrada deste novo mundo do trabalho em qualquer lugar. Consequentemente, uma característica chave do futuro que a Modern Computing Alliance parece ter ignorado é a necessidade de incorporar a tecnologia de “gêmeos digitais”. O paradigma digital-twin já foi provado na IoT industrial, e é apenas uma questão de tempo antes que ele se torne parte integrante de espaços de trabalho híbridos e distribuídos – até mesmo para aqueles que trabalham em escritórios.

Essencialmente, um gêmeo digital é uma construção de dados que espelha uma entidade física correspondente em todo o seu ciclo de vida. O gêmeo rastreia a configuração atual de uma entidade física, estado, condição, localização, interfaces, leituras do sensor, características operacionais, histórico de manutenção e outros atributos.

Posicionando suas ofertas de maneira mais direta nessa nova ordem industrial, a Microsoft lançou recentemente seu serviço Azure Digital Twins. Em gestação nos últimos dois anos, Azure Digital Twins permite que designers industriais planejem, modelem, implantem, monitorem e controlem um ambiente físico baseado em borda/IoT carregado de sensores. Usando o Digital Twins Definition Language (DTDL) desenvolvido pela Microsoft, o novo serviço em nuvem oferece suporte à modelagem de ambientes físicos e, ao coletar dados de configuração de sensores IoT implantados, rastreia todas as alterações feitas nessas áreas fisicamente mapeadas.

Impulsionar o desenvolvimento de robôs colaborativos para locais de trabalho físico-virtuais híbridos parece uma boa opção para essas ofertas de gêmeos digitais. A Microsoft já conta com a Johnson Controls como um usuário do Azure Digital Twins. A empresa, líder em produtos e tecnologias de construção, está usando o serviço e as ferramentas para gerenciar o uso de energia, otimização do espaço de trabalho e fluxos de trabalho de segurança dentro e entre instalações físicas distribuídas.

A realidade imersiva conecta os locais de trabalho físicos e virtuais

O trabalho remoto tende a não ter o suporte prático e interativo que esperamos do pessoal de suporte técnico e administrativo no local.

A necessidade de uma realidade imersiva virá à tona. A tecnologia inclui realidade aumentada, realidade virtual e realidade mista. À medida que encontra o seu caminho nos kits de ferramentas dos desenvolvedores, permitirá que eles criem aplicativos que proporcionam uma qualidade de experiência prática e interativa até mesmo para as tarefas de trabalho mais virtuais e remotas.

Parecendo abrir o caminho para esse futuro, o recente lançamento da Microsoft, o Azure Digital Twins, inclui um gráfico de inteligência espacial baseado em nuvem para rastrear pessoas, lugares e dispositivos. Ele também suporta o desenvolvimento de aplicativos digital-twins que usam visualizações 3D ou 4D, simulações baseadas em física e capacidades de modelagem generativa baseadas em IA.

Incentivando uma maior colaboração

Os escritórios com várias pessoas não serão extintos, mas nunca mais serão o local de trabalho padrão para a maioria dos trabalhadores. Isso não é necessariamente uma coisa ruim. Pessoalmente, tive que me reportar diariamente a um escritório compartilhado em apenas um dos últimos 22 anos, e não tenho nenhum desejo de retornar aos cubículos do mundo. Não é que eu seja antissocial – eu simplesmente gosto de fazer as coisas e sou muito mais produtivo em meu escritório em casa.

Daqui para frente, a questão de onde trabalhar se tornará uma barra deslizante configurável que unidades de negócios, equipes e indivíduos podem empurrar para frente e para trás para se adequar às novas circunstâncias. Esperamos que o setor de TI possa se reunir rapidamente para definir uma visão prática para a infraestrutura, ferramentas e padrões que serão necessários para mover a revolução adiante.

Para começar, seria bom ver a colaboração entre os grupos da indústria que estão impulsionando a padronização nos fundamentos tecnológicos deste novo mundo de ambientes de trabalho híbridos e distribuídos. No mínimo, quaisquer esforços nesse sentido devem envolver a Modern Computing Alliance, o Digital Twin Consortium do Object Management Group, o Comitê de Padrões de Realidade Virtual e Realidade Aumentada do IEEE e a Robotics Industry Association.

Fonte: Computerworld, Infoworld – Por: James Kobielus


19 de janeiro de 2021

0 respostas em "Prepare-se para a revolução do trabalho em qualquer lugar"

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho © 2019. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Nunes Dev.